42 Flares Twitter 0 Facebook 42 Pin It Share 0 Filament.io 42 Flares ×

Quando comentamos com nossos amigos nossa ida às terras hermanas, fomos avisados sobre o cambio da Rua Florida, que diversas pessoas ficam pela rua gritando: “cambio, cambio, cambio” e que seria bom se evitar esse tipo de gente. Mas como chegamos a Buenos Aires em um Domingo e todas as casas de cambio estavam fechadas, não tivemos outra opção.

É realmente grande a concentração de pessoas na rua te oferecendo esse tipo cambio ilegal (sério e surreal, cerca de 8 pessoas por quadra, ficam lá o dia todo gritando), mas a polícia esta em toda parte e não faz nada, inclusive perguntamos para um policial se seria perigoso fazer a troca e ele nos falou que: Não, mas para tomarmos cuidado com as notas falsas (grande ajuda, seu guarda (Y)).

Não tínhamos opção então trocamos o dinheiro e foi bem engraçado, chegamos para uma mulher e falamos que queríamos cambiar. E é tudo muito simples:

  1. Ela te pergunta qual a moeda;
  2. Ela te fala a taxa;
  3. Você chora o preço (sempre, SEMPRE, chore o preço);
  4. Você consegue uma taxa melhor e pronto.
  5. Você segue a mulher até o ponto X (pode ser um carro parado na esquina seguinte, os fundos de uma sapataria, uma loja de turismo, ou simplesmente você entrar em alguma portaria de um prédio da rua);
  6. Você tem o dinheiro na sua mão, aí é só felicidade.
Buenos Aires
Relaxar é preciso depois de tanto perrengue…

No dia seguinte fomos trocar uma quantia maior de dinheiro e resolvemos ir a uma casa de cambio, mas quando chegamos lá e vimos que a taxa era praticamente a metade da taxa paga na rua, o que fizemos?! Lógico que voltamos para o cambio ilegal e economizamos uma grana. Não tivemos nenhum problema com notas falsas, mas tudo e possível, então é bom ficar atento.

Passado esses pequenos perrengues, resolvemos aproveitar a cidade da maneira mais turística possível. Francisco, vulgo Argentino, chegou e nos acolheu em sua residência. E nada melhor do que um nativo para nos levar por um passeio.
6

Plaza San Martín de Tours, Casa Rosada,Galeria Bond Street, Plaza De Las Naciones Unidas, Facultat de Derecho, Facultat de Ingeniería, Recoleta e por aí fomos andando. BsAs e uma cidade muito bonita, sua arquitetura com grande referencia européia encanta a cada esquina.

Casa RosadaMas como tudo que é bom acaba e coisas ainda melhores estavam por vir, nossos dias em terras Hermanas estavam acabando e tínhamos que continuar nosso caminho até Cusco.

Decidimos seguir caminho para La Paz na Bolívia, só que o nosso caminho era um pouco longo, algo em torno de 2.600km, e como todo mochileiro que se preze, tínhamos que pensar na maneira mais econômica possível para completar mais esse trecho.

Pesquisamos e pesquisamos a maneira mais econômica para se atravessar todo o território Argentino e chegar à Bolívia, e a melhor maneira seria pegando um trem ate a Jujuy e prosseguirmos a viagem de ônibus ate a cidade de La Quiaca (fronteira Argentina/Bolívia), mas a passagem para esse trem precisa ser comprada com uma antecedência mínima de uns três meses e não sabíamos disso, então próxima sugestão, fazer todo o percurso de ônibus. Sim 2.600km, 42 horas de ônibus, e foi essa a missão que pegamos.

Pagamos 1.620 pesos argentinos (que deu 405 reais) em nossa passagem com destino a La Paz na Bolívia pela empresa Puma Bus (a empresa e tão boa que não possui nem um site…). Não foi uma viagem nada fácil.
Buenos Aires - La Paz

Tivemos três paradas em toda a viagem. Nosso almoço/janta e cafés eram servidos com o ônibus em movimento pela comissária de bordo ao mesmo tempo em que ouvíamos um CD com grandes músicas latinas do século passado ou assistíamos alguns dos primeiros filmes do Stallone em espanhol. Que viagem!

Muito Uno, muito jogo da forca, muita adedanha e muito mais MUITO Sucrilhos (não consegui comer nada que era servido no ônibus e para nossa sorte antes de embarcamos passamos no mercado) e quase 30hr de viagem ate a cidade de La Quiaca onde atravessaríamos a fronteira.

Buenos Aires e uma cidade que te surpreende e com três dias e possível de se conhecer. Ainda na Argentina vale a pena uma esticada de uns dois dias pela Província de Jujuy e se encantar ainda mais com as suas falésias e um pedaço do Salar de Uyuni.

Fronteira da Argentina

KSHA camiseta da caveira e o boné que me acompanhou durante a viagem (até o momento triste que esqueci no hostel de La Paz) são de uma marca parceira daqui do site: a Ksh.
E ainda tem 10% de desconto na primeira compra pelo site, ou seja, corre!
É só digitar DEZDEPRIMA na área do cupom.


Infos:

  • As conversões foram feitas com base na taxa de cambio: R$ 1.00 = UYU 8.50  e  R$ 1.00 = ARS 4.00 / Marco 2015

Classificação:

Viagem: Família | Casal | Amigos | Sozinho
Custo: Mochileiro | Intermediário | Luxo
Duração: 24h | Fds | Semaninha | Mês inteiro | Intensivo de viagem

Veja também os outros destinos desse mochilão

42 Flares Twitter 0 Facebook 42 Pin It Share 0 Filament.io 42 Flares ×

One Comment

  1. Pingback: Roteiro de viagem: Mochilão América do Sul

Leave a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *